Qualquer semelhança com a coincidência, terá sido mera realidade

Qualquer semelhança com a coincidência, terá sido mera realidade 

Por MARCIO SCHIAVO, Diretor-presidente da COMUNICARTE

Antes, o UNICEF desenvolvia ações para retirar crianças e adolescentes das ruas, principalmente aqueles que eram explorados e abordavam pessoas e carros para pedir dinheiro. Hoje, quem vai às ruas pedir dinheiro é o próprio UNICEF, por meio de “jovens captadores, que visam uma abordagem chamada Face a Face.” O que antes nos indignava, crianças e adolescentes pedindo basicamente para comer, hoje é uma “ação estratégica” de captação, que inclusive destaca os melhores captadores, ou seja, aqueles que mais doações conseguiram arrecadar.

É claro que sabemos que não se trata da mesma coisa. Hoje há uma intermediação no processo e também uma sofisticação. Nos tempos atuais, não se aceita doação em dinheiro. Só via cartões de débito ou crédito. É a tecnologia bancária chegando a mendicância.


Mas como dizia o poeta Billy Blando, em seu Canto Chorado:

“O que dá pra rir, dá pra chorar
Questão só de peso e medida
Problema de hora e lugar
Mas tudo são coisas da vida.”






***

Caso tenha sugestões ou comentários sobre esta matéria, por gentileza, envie para contato@comunicarte.com.br e aguarde nosso retorno. Grata, Equipe Comunicarte :)

Postagens mais visitadas deste blog

A produção cultural e a responsabilidade social corporativa

3E Sistema de Informação Gerencial Socioambiental

NEM BENEMERÊNCIA NEM LIBERALISMO: O SOCIAL EM UM NOVO ENFOQUE

A importância do merchandising social

A Petrobras aprendendo com o sapo

Avaliação de Projetos Sociais

Quem é o adolescente que se quer prender?

Transexualidade em foco em A Força do Querer