Convenção do Clima: as dificuldades de consenso


A Convenção do Clima, realizada em Durban, na África do Sul, não conduziu a um grande acordo entre os países participantes para diminuir as emissões que provocam o efeito-estufa. Os EUA não ratificaram nem sequer o Tratado de Kyoto, anterior. China e Índia, em nome do desenvolvimento de suas economias, não querem ouvir falar em diminuição de emissões. O Canadá, por sua vez, anunciou sua deserção do grupo de países que tentam equacionar as mudanças climáticas. O Brasil até que fez bonito, revelando-se disposto à criação de metas de redução de gases obrigatórias para todas as nações do mundo, a partir de 2020.

Uma das maiores dificuldades para levar o debate a resultados mais efetivos é a variedade de enfoques estatísticos da questão. Isso porque o problema do aquecimento global não se deve apenas à queima de combustíveis fósseis. Outros gases contribuem para o efeito estufa. Nessa perspectiva, o Brasil, por exemplo, quando se leva em conta as emissões de gases provenientes do desmatamento, vai para o terceiro lugar do ranking de países que causam aquecimento global, ficando atrás somente da China e dos EUA.

Nesse cenário, comparar países pode levar a distorções. Quando se considera as emissões de carbono per capita, a Austrália torna-se a grande vilã, ficando em primeiro lugar, com 19,6 toneladas, superando os EUA, (17,7 toneladas) e a Rússia (11,2 toneladas).

Se levarmos em conta as emissões históricas (o tempo de poluição da atmosfera durante os anos), EUA e China passam a ser os vilões – o primeiro com 339 milhões de toneladas e a segunda com 105 milhões. E há também a abordagem das emissões do ponto de vista da cadeia produtiva. Muitos analistas argumentam que é injusto focar nas emissões geradas no local de produção dos bens quando, na prática, eles serão exportados para consumo em outros países, que deveriam ser, então, os mais culpados. Abordando a questão por esse ponto de vista, a China teria sua culpa bem amenizada, uma vez que a maior parte dos bens que o país produz são consumidos por nações mais ricas.

MÁRCIO SCHIAVO – Diretor-Presidente da COMUNICARTE Marketing Cultural e Social Ltda. e Vice-Presidente de Responsabilidade Social da ADVB-PE.

MÁRIO MARGUTTI – Consultor e Assessor da COMUNICARTE Marketing Cultural e Social Ltda.


Postagens mais visitadas deste blog

A produção cultural e a responsabilidade social corporativa

3E Sistema de Informação Gerencial Socioambiental

NEM BENEMERÊNCIA NEM LIBERALISMO: O SOCIAL EM UM NOVO ENFOQUE

A importância do merchandising social

A Petrobras aprendendo com o sapo

Quem é o adolescente que se quer prender?

Avaliação de Projetos Sociais

Transexualidade em foco em A Força do Querer