Dia mundial da paz

O dia 21 de setembro foi proclamado pela ONU como uma data de não-violência em todo o mundo. O objetivo não é apenas estimular as pessoas a pensar na paz, mas sim levá-las a fazer alguma coisa em favor de um mundo sem guerras e menos agressivo. Curiosamente, nesse mesmo dia, comemora-se no Brasil o Dia da Árvore. Nada mais adequado. Paz e árvore são conceitos que combinam perfeitamente entre si e nos estimulam a refletir sobre uma vida em harmonia com a natureza, em paz também com o meio ambiente.
No Dia Mundial da Paz, os povos de todo o mundo são conclamados para refletir e principalmente agir, num planeta cada vez mais instável, marcado por terríveis injustiças sociais e no qual as guerras eclodem com espantosa facilidade. Nações, povos de diferentes origens e culturas, religiões e filosofias de vida diversas deveriam saber conviver melhor entre si e se irmanar na busca da paz – o que, infelizmente, está longe de ser uma realidade.
Porém, em nosso cotidiano, nos momentos mais banais de nossas vidas, podemos, sim, contribuir para a construção de uma cultura da paz. Basta fazer pequenos gestos, como dar bom dia aos vizinhos, ajudar uma senhora idosa a atravessar a rua, evitar as brigas no trânsito e tentar substituir nossos instintos egoístas por atitudes mais solidárias.
Hoje devemos estar conscientes de que as fronteiras entre os países são apenas marcos simbólicos: o mundo encolheu, está todo conectado e é muito mais fácil viajar de um extremo a outro do planeta. A separação entre as pessoas é apenas uma ilusão mental. Graças aos avanços tecnológicos e ao poder das mídias sociais quando utilizadas para o bem, estamos todos interligados e interativos. Sentimos na pele que uma ação pequena pode afetar milhões de pessoas a milhares de quilômetros de distância – como estabelece o conceito de efeito-borboleta lançado por um dos cientistas pioneiros da Teoria do Caos (“uma borboleta batendo as asas nas costas do Brasil pode provocar um furacão do outro lado do planeta”). Por exemplo: uma mulher negra norte-americana, cansada na volta do trabalho, desobedeceu à lei racista que a proibia de sentar-se nos bancos da frente do ônibus que a levaria para casa. Ela se recusou a sair do assento, foi presa e com isso gerou uma revolta popular que cresceu por diversos estados, expressa em marchas e carreatas de protesto. Pessoas negras começaram a alugar vans e recusaram-se a usar o transporte público. A revolta foi tamanha que a lei que discriminava aquela mulher negra como cidadã de segunda categoria foi extinta pelo Congresso. Assim, a atitude de uma só mulher, firme e não-violenta, provocou uma grande transformação social que diminuiu o espaço para a legitimação do racismo na sociedade norte-americana.
No Brasil existe uma Universidade da Paz, com sede em Brasília e filial no Rio de Janeiro. Ela foi criada por um movimento mundial de pessoas e instituições afins, com a proposta de semear uma cultura de paz entre os vários segmentos sociais. Além disso, a Unipaz divulga uma filosofia holística, baseada na plenitude do ser humano e na visão do planeta como um único grande ser vivo, nossa mãe Gaia.
O idealizador desse instigante projeto é Pierre Weil, psicólogo, educador e escritor nascido em Strassburgo, na França, homem que dedicou toda a sua vida a divulgar e aprofundar reflexões relacionadas à paz e à não-violência. Conforme seu próprio depoimento, Weil garante que encontrou no Brasil "o abraço brasileiro responsável pela escolha de viver aqui".
A essência do trabalho da Unipaz é trazer o global para o local, ou seja, realizar a máxima que também é pregada pelos ecologistas: pensar globalmente, agir localmente. Assim, a instituição desenvolve várias atividades de cunho nacional e internacional voltadas para a construção de uma nova visão de mundo.
Na internet, o site http://www.internationaldayofpeace.org/ oferece diversas sugestões de eventos para participar de maneira interessante do Dia Mundial da Paz. Bem organizado e pragmático, o site ajuda o internauta a agir dentro do seu pequeno mundo. Além disso, as fotos e frases nele postadas traduzem com maestria a força digna da paz.
Que os nossos leitores possam descobrir muitas outras maneiras de contribuir para um mundo mais pacífico. O paraíso sempre esteve ao nosso alcance, porque a paz é a gente que faz.

MÁRCIO SCHIAVO – Diretor-Presidente da COMUNICARTE – Marketing Cultural e Social Ltda. e Vice-Presidente de Responsabilidade Social da ADVB-PE.
MÁRIO MARGUTTI – Consultor e Assessor da COMUNICARTE – Marketing Cultural e Social Ltda.

Postagens mais visitadas deste blog

A produção cultural e a responsabilidade social corporativa

3E Sistema de Informação Gerencial Socioambiental

NEM BENEMERÊNCIA NEM LIBERALISMO: O SOCIAL EM UM NOVO ENFOQUE

A importância do merchandising social

A Petrobras aprendendo com o sapo

Quem é o adolescente que se quer prender?

Avaliação de Projetos Sociais

Transexualidade em foco em A Força do Querer